Visitar Lavras do Sul é se surpreender com um jeito peculiar e simples de levar a vida. Muitas vezes se diz que Lavras do Sul é uma grande família, por conta de sua hospitalidade entre os habitantes e para com os visitantes. Mesmo com seu tamanho de pequeno porte, possui atrações e eventos que atraem pessoas de diversos lugares e de todos os estilos, em todas as épocas do ano. Conhecendo Lavras do Sul, tu irás te surpreender. ///// Localizado na mesorregião do Sudoeste Rio-grandense e na microrregião da Campanha Meridional, a 320 quilômetros via rodoviária da Capital do Estado do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, o município de Lavras do Sul foi fundado em 9 de maio de 1882, emancipando-se de Caçapava do Sul. É o único município gaúcho com origem na mineração e na extração do ouro, mineral outrora abundante na região. Segundo dados do Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2010, a população era de 7.679 habitantes. Seu território se estende por 2.600 km² e, as Coordenadas Geográficas da zona urbana são 30° 48' 41” S, 53° 54' 02” O. Divide-se em dois distritos: Sede (a leste) e Ibaré (a oeste).

Previna-se contra o Coronavírus

Previna-se contra o Coronavírus
Fique em casa e saia apenas em casos de extrema necessidade, usando a máscara

terça-feira, 26 de maio de 2020

REGIÃO DA CAMPANHA: Aspectos básicos

Corede Campanha (Fonte: FEE/RS, 2008)


Localizada dentro do Bioma Pampa, o vasto complexo de biodiversidade que engloba mais de 750 mil km² entre a Argentina, Uruguai e Brasil (exclusivamente o Rio Grande do Sul), a Campanha Gaúcha é uma das subdivisões deste ecossistema, dando origem a uma região específica com caráter socioeconômico: o Corede Campanha.


Com um ambiente rural bastante forte e enraizado na cultura local, tem na agropecuária a sua principal base econômica. É possível resumir as características do Pampa (e, consequentemente, do Corede Campanha) da seguinte forma:

A história do Pampa Brasileiro teve, e permanece tendo, uma relação umbilical com o ambiente e com a natureza, em especial com os campos nativos. A evolução da vegetação campestre esteve historicamente ligada à utilização por herbívoros. A partir da colonização europeia, esse processo foi moldado novamente pela introdução dos bovinos, ovinos e equinos, a partir do seu manejo pelas sociedades humanas que aqui se constituíram. Essa vocação econômica de produção pecuária sobre a vegetação campestre é um legado da natureza e da história dos homens nessa região e precisa de instrumentos sócio-econômico-políticos para ser preservada como um patrimônio da natureza para a humanidade. (PILLAR; LANGE: 2015, p. 22).
O Corede Campanha foi criado em 1991, com o objetivo de promover o desenvolvimento regional dos municípios (que apresentam peculiaridades socioeconômicas entre si). É composto atualmente por sete municípios: Aceguá, Bagé, Caçapava do Sul, Candiota, Dom Pedrito, Hulha Negra e Lavras do Sul. Lembrando que o Corede, além de ser uma classificação regional, é uma entidade de desenvolvimento de municípios comuns entre si. O Rio Grande do Sul tem, ao todo, 28 Coredes.

A denominação “pampas”, de origem indígena, se referem a uma região relativamente plana, natural e de grande produção pecuária, e pastorial, composta por campos, que abrange o Uruguai, a Metade Sul do Rio Grande do Sul e as províncias argentinas de Buenos Aires, La Pampa, Santa Fé, Córdoba, Entre Ríos e Corrientes. Ocupa, no territorio brasileiro, uma área de 176,5 mil Km² (cerca de 2% do território nacional), sendo constituído principalmente por vegetação campestre (gramíneas, herbáceas e algumas árvores).

No âmbito brasileiro, os pampas podem ser designados com o termo regionalista campanha gaúcha, ou ainda, quando em conjunto com os campos do planalto meridional (do Paraná ao Rio Grande do Sul), com os termos campos do sul ou campos sulinos. (WIKIPÉDIA, 2019).

Nos últimos anos, tornou-se crescente a quantidade de estudos sobre o Bioma Pampa. Especialistas de biologia, zootecnia, ecologia, economia e outras áreas do conhecimento voltam suas atenções para uma região pouco estudada e ainda desconhecida.

Além das potencialidades agropastoris, o Pampa apresenta potenciais para o desenvolvimento de mineração amplos, que geram opiniões divergentes. Os que se posicionam a favor, justificam um possível crescimento econômico de cidades com ampla riqueza mineral, como Caçapava do Sul e Lavras do Sul. Em contrapartida, os contrários à implantação dos empreendimentos justificam possíveis impactos ambientais nocivos à região.

A região geomorfológica do planalto de Campanha, a maior extensão de campos do Rio Grande do Sul, é a porção mais avançada para oeste e para o sul do domínio morfoestrutural das bacias e coberturas sedimentares. 

A promoção de potencialidades regionais é muito importante, levando-se em consideração a vasta extensão territorial do país. Com o triste avanço, em 2020, da pandemia do Coronavírus (também conhecido como Covid-19), ocorrem diversas transformações na vida das pessoas, com restrições a saídas externas, medidas de proteção da saúde e problemas econômicos. Os impactos da pandemia podem dar origem, após um possível cenário de amenização e encerramento das consequências da doença, em uma adequação e valorização do turismo realizado em escala local e estadual.

As normas de segurança, proteção e higiene são de fundamental importância para a atração de turistas após à pandemia. Ainda, em maio de 2020, não se sabe ao certo quando esta situação de circulação do vírus Covid-19 será reduzida. Sabe-se, no entanto, que muitas mudanças irão acontecer.

Este trabalho tem por objetivo mostrar as potencialidades e traçar uma radiografia das características básica da Região da Campanha.

Geografia

Dados básicos

A seguir, apresentam-se alguns dados básicos e socioeconômicos da Região da Campanha, segundo a Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul (FEE/RS).
População Total (2018): 218.553 habitantes
Área (2015): 18.241,5 km²
Taxa de analfabetismo de pessoas com 15 anos ou mais (2010): 5,95 %
Expectativa de Vida ao Nascer (2000): 70,86 anos
Coeficiente de Mortalidade Infantil (2017): 13,32 por mil nascidos vivos
Exportações Totais (2014): U$ FOB 199.130.251
Município Polo: Bagé
Municípios integrantes: Aceguá, Bagé, Caçapava do Sul, Candiota, Dom Pedrito, Hulha Negra e Lavras do Sul.

Superfície e população

Com dados da Fundação de Economia e Estatística do Rio Grande do Sul (FEE-RS), a população estimada, somando os sete municípios, é de 218.553 habitantes, distribuídos em uma área de 18.241,5 km², formando uma densidade demográfica de 11,9 habitantes por quilômetro quadrado.

A saber, a superfície dos municípios do Corede é a seguinte, segundo informações do IBGE (Resolução do IBGE nº 05, de 10 de outubro de 2002, com exceção da área de Lavras do Sul, com valores corrigidos em 2014).

Aceguá – 1.549,5 km²
Bagé – 4.095,5 km²
Caçapava do Sul – 3.047,1 km²
Candiota – 933,8 km²
Dom Pedrito – 5.192,1 km²
Hulha Negra – 822,9 km²
Lavras do Sul – 2.601,1 km²

Segundo estimativas do IBGE para 2015, a população dos municípios do Corede Campanha se dá da seguinte forma:

Aceguá – 4.702 hab.
Bagé - 121.749 hab.
Caçapava do Sul – 34.654 hab.
Candiota – 9.315 hab.
Dom Pedrito – 39.886 hab.
Hulha Negra – 6.478 hab.
Lavras do Sul – 7.833 hab.

Espanhóis, portugueses, uruguaios, argentinos, negros e europeus de diversas nacionalidades são as principais etnias formadoras da população do Corede Campanha. É uma região tipicamente agropecuária, com origem na criação extensiva do gado e influenciada pela proximidade com os países platinos.

Localização

A maior parte de seu território esta dentro da Faixa de Fronteira com o Uruguai (eixo de 150 km a parte da linha de fronteira, considerado estratégico para a segurança e soberania nacionais).
Localiza-se entre os paralelos 30° e 32° S e faz fronteira com o Uruguai, através de Bagé e Aceguá (que é dividida por uma rua com a cidade de Acegua, no país vizinho). Está situado no mesmo fuso horário de Brasília, tanto no horário normal como no Horário Brasileiro de Verão (-3 UTC). O Corede é um ponto estratégico para as regiões que compõe o Mercado Comum do Sul (Mercosul), sendo de ponto de passagem e partida para o Uruguai, Argentina e o para as demais regiões Brasileiras. Aceguá se situa a cerca de 2.500 km de Brasília, a Capital do Brasil.

Distâncias de Porto Alegre (Capital do Estado do Rio Grande do Sul) a:

Aceguá – 428 km
Bagé – 373 km
Caçapava do Sul – 255 km
Candiota – 390 km
Dom Pedrito – 439 km
Hulha Negra – 371 km
Lavras do Sul – 320 km

Relevo

Seu relevo é variável, com média de 180 metros de altitude, chegando a 460 em alguns pontos de Caçapava do Sul e Lavras do Sul, e é composto por coxilhas, campos limpos com capões de mato espalhados, pequenas serras (planaltos mais erguidos) e florestas subtropicais espalhadas. Formações rochosas, rios com bancos de areia, morros arredondados e campos planos são algumas das formas de relevo mais comuns.

Hidrografia

O Rio Camaquã (que, cerca de 400 km depois, desemboca na Laguna dos Patos) nasce neste Corede, assim como o Rio Negro, que desemboca no Rio Uruguai, em território uruguaio. O Rio Santa Maria, com nascentes em Dom Pedrito, também é um importante rio da região. Por conta do relevo mais acidentado e pela região servir de divisor de águas entre Bacias Hidrográficas (do Uruguai, do Guaíba e do Atlântico Sudeste), em alguns pontos há uma ausência de cursos d’água de maior porte.
Clima

A temperatura média anual da região é de 17°C e há uma distribuição regular das chuvas o ano todo, mesmo que ocorram, esporadicamente, alguns períodos de estiagem, influenciados por fenômenos meteorológicos. 

As estações do ano no Corede Campanha são extremas, com verões quentes e invernos rigorosos. Os invernos podem apresentar, em média, trinta geadas anuais, com temperaturas que podem chegar a 0°C ou até menos. No verão, a temperatura pode chegar a 40°C.

A forte atuação das massas de ar combinada com o relevo plano (ou, em alguns locais, de pequenos morros) e o fato de localizar-se em uma zona temperada fazem do Corede Campanha com um clima mais ameno que outras áreas do Estado (não incluindo a região da Serra do Nordeste, mas a Região Metropolitana de Porto Alegre e a Fronteira Oeste, por exemplo).

Vias de acesso

A BR-153, a BR-293, a BR-290 e a RSC-473 são as principais rodovias da região. A ferrovia que liga Cacequi a Rio Grande passa pelo Corede. Há também um aeroporto internacional (Comandante Gustavo Kraemer), em Bagé.

Cultura

A cultura é bastante peculiar, nos costumes, sotaque, culinária, música e vestimentas, sendo a referência simbólica do Rio Grande do Sul com relação ao resto do Brasil, no que diz respeito à identidade cultural. 

Data de fundação dos municípios integrantes do Corede Campanha

Aceguá = 16 de abril de 1996
Bagé = 17 de julho de 1811
Caçapava do Sul = 25 de outubro de 1831
Candiota = 24 de março de 1992
Dom Pedrito = 30 de outubro de 1872
Hulha Negra = 24 de março de 1992
Lavras do Sul = 9 de maio de 1882

Economia

Uma das maiores dificuldades enfrentadas pelo Corede Campanha é o atraso no desenvolvimento econômico em relação a outras regiões do Estado do Rio Grande do Sul. O afastamento dos grandes centros industriais do leste gaúcho, as crises econômicas (geradoras de falta de empregos e investimentos) e a escassa vontade política para a implantação de empreendimentos e projetos foram algumas das causas de haver um atraso no desenvolvimento econômico da região, dando origem a desigualdades socioeconômicas e migrações de seus cidadãos para outras regiões (ocasionadas pelas oportunidades reduzidas de empregos).

Na atualidade, notam-se esforços de algumas entidades de reverter essa situação. Isto poderá demorar anos até que comecem a ser apresentados os primeiros sinais de recuperação, uma vez que esta situação perdura há pelo menos 50 anos (não apenas no Corede Campanha mas em toda a Metade Sul Gaúcha).

O propósito deste trabalho não é fazer uma análise profunda da situação econômica do Corede, mas sim apontar suas potencialidades e situação atual, valorizando e projetando o que os sete municípios tem de melhor.

Vocação natural desde a colonização, implantada pelos europeus de forma extensiva e elemento cultural da região, a criação agropastoril se constitui na principal atividade econômica do Corede Campanha. 

Pelos extensos campos, onde a topografia, clima e solo favorecem a criação de gado de alta qualidade, estão raças bovinas como Hereford, Angus e Braford, ovinos (que fazem da região um dos principais polos em ovinocultura no país), além de búfalos e equinos.

Considerada por muitos especialistas uma das melhores carnes do mundo, a carne produzida a partir de gado criado em Bagé tem elementos de alta qualidade.

As carnes ovinas produzidas na região, como em Bagé e Lavras do Sul, são considerados produtos importantes para exportação.

As cidades do Corede realizam anualmente, no período da primavera, Expofeiras Agropecuárias, que servem de vitrine para o que cada município produz. Exemplos de expofeiras são a de Caçapava do Sul, Bagé, a Farm Show de Dom Pedrito e a ExpoLavras (Lavras do Sul).

Arroz, soja e frutas, como figo, laranja e uva, são os principais produtos agrícolas da região.

A produção de oliveiras (e de azeite de oliva), em Caçapava do Sul, se destaca nos últimos anos, como um novo e promissor elemento econômico para o futuro da região.

Outra grande potencialidade é a vitivinicultura, que começa a ganhar espaço, pelas condições especiais de produção de vinhos (o chamado, pela nomenclatura da indústria de vinhos, de paralelo 30). Bagé, Candiota e Dom Pedrito apresentam vinícolas que são destaques regionais e nacionais no setor.

Não há, no Corede Campanha, uma forte vocação industrial. A economia é gerada principalmente nas necessidades básicas da população através de artesanato, indústria, comércio e serviços.

A mineração é uma atividade que faz parte da formação histórica e ocupação humana da região. Atualmente desativada em grande parte, pode receber grandes empreendimentos, como a mina de fosfato de Três Estradas (Lavras do Sul), o projeto de Caçapava do Sul e junto ao Rio Camaquã, na região de Bagé. Estes projetos podem gerar de empregos e o incremento na economia e, segundo as empresas mineradoras, estarão dentro das normas ambientais e com sustentabilidade. Porém, diversos setores da sociedade contestam os mesmos, dizendo que tais empreendimentos poderiam ser uma ameaça ao meio ambiente e que merecem um diálogo com a população.

Bagé é o principal centro comercial do Corede Campanha. Abriga grandes redes de lojas e supermercados que atraem compradores de toda a região. 

A Agricultura Familiar e o artesanato são fortes atividades da região. Os produtos a base de frutas locais, como figo, pêssego, laranja e goiaba, são encontrados em todos os municípios. A produção de peças de vestuário de lã de ovelha também é bastante significativa em toda a região. A produção local gera emprego e renda para as famílias, gerando mais desenvolvimento.

A Usina Termelétrica de Candiota (em ampliação) e, mais recentemente, a possibilidade de instalação da energia eólica em Lavras do Sul nos próximos anos, são algumas das características do futuro do setor de energia na região.

O turismo começa aos poucos a ser desenvolvido no Corede. Bagé, Dom Pedrito, Lavras do Sul e Caçapava do Sul são os principais centros com potencialidades que vão do turismo rural e da vitivinicultura até do turismo de eventos. 

AddToAny