Sejam bem-vindos ao site independente em homenagem a Lavras do Sul, a eterna "Terra do Ouro"! Visite nosso Município em qualquer época do ano. ///// Lavras do Sul é um município brasileiro localizado no Rio Grande do Sul e pertencente à mesorregião do Sudoeste Rio-grandense e à microrregião da Campanha Meridional. Conta com as águas da Bacia do Rio Camaquã e do Rio Santa Maria. Faz divisa territorial com os municípios de Caçapava do Sul (L, NE), Bagé (SE), Dom Pedrito (O, S, SO), São Gabriel (N, NO) e Vila Nova do Sul, Santa Margarida do Sul e São Sepé (N). Localiza-se no Escudo Sul-Rio-grandense, apresentando um solo rochoso, de origem pré-cambriana, e rochas sedimentares. Apresenta terras que alcançam os 450 metros acima do nível do oceano. Apresenta vegetação variada ao longo de seu território, desde campos mistos com arbustos, até campos limpos e planícies onde se praticam a cultura do arroz, já na porção oeste do município, na divisa com Dom Pedrito. Lavras do Sul possui 7.679 habitantes, segundo estimativas do IBGE, em 2010 e está distante 320 km da Capital gaúcha, Porto Alegre. As principais atividades econômicas do município são a mineração (que está praticamente desativada, embora hajam jazidas de calcário e fosfato em pesquisa), a agropecuárjavascript:void(0)ia, a agroindústria, o artesanato, o comércio e o turismo. Possui um dos mais tradicionais carnavais do interior gaúcho, além de realizar diversos eventos o ano todo.

Apoiador

Lavras do Sul, Rio Grande do Sul, Brasil
   00:00:00 blogpanoramalavrense@gmail.com
Perfil no Facebook

domingo, 16 de outubro de 2016

CULTURA: Culinária de Lavras do Sul

Prato a base de ovelha

Quem vai a Lavras se surpreende com a variada culinária e uma alimentação peculiar, que agrada a todos os paladares.

A carne de ovelha é bastante apreciada na cidade, em diversas formas, como costela e espinhaço. Há também um grande consumo de gado, sendo aproveitadas as mais diversas partes do boi. 

A pesca é artesanal e realizada em açudes; muitos vão "para fora", ou seja, em açudes na zona rural, para fisgar peixes como tilápias e carpas, que depois são consumidos em jantares, principalmente na Sexta-Feira Santa.

Definitivamente, não é necessário explicar por que o churrasco é o prato mais tradicional em festas, encontros de amigos e no cotidiano dos lavrenses, tanto na zona rural, quanto na sede municipal.
As linguiças lavrenses, a base de porco e de gado, produzidas de forma artesanal e caseira, por fazendeiros locais (como Italo Brasil La-Rocca), ou por vários açougues (a mais famosa é a da Churrascaria Freitas) são de um sabor diferenciado e marcante.

Feijão mexido, arroz e saladas são acompanhamentos que não podem faltar nos almoços e jantas lavrenses.

O Telúrica Bar, além do xis, é famoso por suas pizzas (que muitos dizem ser "a melhor do mundo", face ao seu sabor peculiar), calzones (pizzas dobradas, fechadas e com recheio) e por seus pratos com nomes de pessoas famosas da cidade (sanduíches como Fafá e Waguinho). Oferece ainda pratos à la-carte, como o Frango à Majestik (sobrecoxa de frango desossada e frita, decorada com pêssegos, abacaxis, figos em calda e queijo e acompanhada de arroz, batata frita e salada de maionese).

Um elemento que jamais pode faltar no dia-a-dia dos lavrenses é o tradicional chimarrão (ou mate, como os nativos da cidade o chamam). O chimarrão é sagrado, sendo preparado todos os dias, para espantar o frio, manter a tradição e unir as pessoas em volta. É bastante comum o fato de os moradores oferecerem mate aos visitantes de suas casas, não importa a hora do dia; é mais uma demonstração da hospitalidade lavrenses e do interior gaúcho.

Na zona rural, há o chamado café campeiro, com pães, geleias, compotas e quitutes feitos dentro das estâncias, com uma sabor diferente e único. É uma gastronomia típica da região e oferecida nos hotéis-fazenda do município.

Nos mercados da cidade, há diversas marcas e tipos de produtos e mantimentos que atendem a todas as necessidades da população. Podemos encontrar, desde marcas consagradas até produtos com fabricação e venda tipicamente voltados para as cidades do interior. É o caso, por exemplo, das tubaínas (refrigerantes de marcas pouco conhecidas); em Lavras, a população consome consideravelmente estas bebidas, superando os refrigerantes diet, os quais não são vendidos em determinados estabelecimentos.

Não podemos esquecer de citar os tradicionais doces caseiros e quitutes, preparados por diversas donas-de-casa em suas próprias residências, e que são oferecidos por elas às visitas. Quando visitamos a casa de alguém em Lavras, e a dona da casa nos oferece delícias como ambrosia, pão caseiro, merengue, bolo, figada, marmelada, pastel, rapadura, torta de bolacha, pizza de sardinha, entre outras, é praticamente impossível recusar e resistir às tentações da culinária lavrense. Aliás, estas donas de casa oferecem esses quitutes de livre e espontânea vontade, para qualquer visita. Os que não aceitam as ofertas destas guloseimas, preparadas com tanto carinho e satisfação, correm o risco de deixar essas dedicadas cozinheiras desapontadas, além é claro de deixarem de experimentar deliciosas iguarias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Mapa (Google Maps)